segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Pelo coração da galinha

No sábado a tarde era a mãe que apontava para o Alambrado: quero aquela ali, e o pai entrava no galinheiro, pisava na merda e nos restos de comida, encurralava a ave e ali mesmo torcia-lhe o pescoço. Ele já saía com a galinha presa pelos pés, de ponta cabeça, os pequenos olhos perdidos em meio ás que deixava, vivas ali, ciscando o destino que lhes esperavam.
A irmã mais velha avisava que a água estava fervendo e a mãe trazia o caldeirão fumegante para o quintal. Ali, a família se juntava, queimava a mão no caldo quente e depenava a galinha. A caçula sempre lembrava: "o coração é meu". A do meio retrucava: "não, ele é meu porque eu vi primeiro!". A mãe lamentava a desgraça das galinhas de possuir apenas um coração, já que este desde sempre o Éden era disputado por Abel e Caim, Adão e Eva. A mais velha limitava-se a arrancar as penas em silêncio antes que a água esfriasse e os pensamentos escapassem.
O pai trazia algodão embebido em álcool, colocava fogo e passava a galinha de leve na chama para acabar de tirar as penugens. Ficava no ar o cheiro de pena queimada e pele tostada, enquanto o sol caminhava a lentos passos para o meio do céu.
As galinhas sobreviventes continuavam ciscando monótonas, olhavam uma para a outra, tentando descobrir quem iria para a panela na proxima semana, apostando com isso os últimos grãos que o saco caído, ao longe no chão, possuía. A ave de pescoço quebrado e depenada era colocada em cima do mármore frio e aberta na ponta da faca pela mãe. Conforme limpava, ela ia mostrando para as filhas, exímia cirurgiã doméstica, a anatomia da galinha. Não muito diferente da anatomia das meninas.
A manteiga estavalava na panela a espera dos temperos. A caçula preparava o suco de limão enquanto a do meio preparava o forno. A mais velha arrumava a mesa, pondo os talheres e pratos, sorrindo discretamente com a certeza de que o coração seria seu, escondido secretamente entre as pernas da ave. Um dia descobriria, com pesar, que o coração das mulheres também se refugia entre as pernas ocasionalmente.
Posta a mesa o pai puxava uma oração, seguida de uma bronca pela discussão à mesa sobre o bendito coração da galinha, que havia sumido e ninguém, nem mesmo a seqüestradora, sabia onde ele estaria. Após muita briga e a ameaça crescente de birra da caçula, a mãe descobre que o coração havia caído das pernas da ave sobre o fogo alto do forno. Só restava cinzas e mágoas.


Muito tempo se passou desde então. As meninas cresceram e cada uma freqüenta o restaurante que lhe convém, e os corações agora vem aos montes, em espetos. Menos a caçula, que traumatizada, virou vegetariana.

16 comentários:

  1. Cara, se te contar que tem outra cara agora? Mais... séria. Delicia de ler, mesmo. Mas ainda assm, outra cara.

    ResponderExcluir
  2. Eu consigo visiualizar o seu conto perfeitamente em algum livro.

    gostei.

    ResponderExcluir
  3. Devo dizer que tenho nojo de galinha morta da hora. Não sei porque, mas acho que vivo daquela visão enlatada de que aquilo que compramos no mercado já nasceu morto e fatiado.

    ResponderExcluir
  4. Eu sinto vontade de chorar ao pensar que meu coração esta devidamente encaixado entre minhas pernas, ao inves de, entre os pulmões...
    =/

    ResponderExcluir
  5. Coisas e Acontecimentos
    Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Tempo Agradável, Harmonioso e com Sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito Simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Se tiveres tuiter, e desejar, é só deixar que agente segue.
    Um abraço e fique com DEUS.

    http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. http://eliizabeeats.blogspot.com/p/selos.html

    um selo pra você no blog, bjs ;*

    ResponderExcluir
  7. E sabe você como eu prefiro a galinha

    (de preferência, galinha velha)?

    De cabidela. Não sei se sabe o que é.

    Mas se quiser dou-lhe a receita.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito, me lembrou Clarice Lispector, ela bem gosta de galinhas. Adorei a frase do coração entre as pernas, faz todo o sentido do mundo.

    ResponderExcluir
  9. Belo conto. Triste o destino das galinhas, rs!Talvez por isso não goste de frango...

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Adoro as galinhas, principalmente aquelas que dão bom caldo! O texto é formidável! Abraço

    ResponderExcluir
  11. Bom dia, querido amigo.
    Na nossa casa era assim também. Num dia, a minha avó me ensinou a matar galinha. Foi penoso...
    Com o pescoço cortado, ela correu para o terreiro.
    Foi a única vez que fiz isso.

    Gostaria de ser vegetariana radical, mas ainda não consegui. Mas se depender de eu matar algum bicho pra comer, acho que morro de fome.

    Comprá-lo já abatido por outros, não tira o peso da minha consciência.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  12. Estou lhe seguindo.

    Maria Auxiliadora (Amapola)

    ResponderExcluir
  13. Adorei seu blog e me tornei uma nova seguidora. Se desejar, passe pelo meu blog e ANESTESIE TUA MENTE também.

    http://anestesiandoamente.blogspot.com/

    Se gostar, siga. E se for do seu agrado, eu poderia publicar o seu e você faria o mesmo com o meu, o que acha?! Agradeço desde já a atenção, e mais uma vez, parabéns pelo blog. Sucesso!

    ResponderExcluir
  14. me deu uma vontade de voltar a ser vegetariana, mais vou encarar mais uma galinha.
    de qlqer forma, gostei do texto, exceto da crueldade pelo coração.

    ResponderExcluir
  15. greetings from usa!
    you have a great blog.
    you are welcomed to visit me
    http://blog.sina.com.cn/usstamps
    thank you.

    ResponderExcluir